Casal larga emprego no Google e abre escola sobre a ferramenta

Já viu a Gawa no site da Globo.com?
Abaixo a matéria na íntegra e aqui o link para a matéria original no G1.

Gabriela Gasparin
Do G1, em São Paulo

Isabel e Renato trabalharam no Google por quase 4 anos (Foto: Divulgação/Gawa)Há quase um ano, o casal de publicitários Isabel Furtado, de 30 anos, e Renato Maria, de 28 anos, tomou a difícil decisão de largar um bom emprego – no caso deles, no Google, constantemente listado em rankings como a melhor empresa para se trabalhar –, e abrir o próprio negócio: uma escola de cursos sobre a ferramenta de busca. Eles dizem não se arrepender da escolha: a renda mensal já é a mesma e a tendência é aumentar, há liberdade de horários e ambos garantem que trabalhar pela própria empresa traz grande satisfação pessoal.Em julho de 2012, eles criaram em São Paulo a Gawa, uma empresa que oferece cursos para ferramentas do próprio Google, e o faturamento deve atingir R$ 500 mil no primeiro ano de vida, o dobro do previsto. Renato abriu, ainda, uma agência de publicidade para links patrocinados, com outra sócia, e o faturamento deve atingir R$ 1 milhão em 2013.

“Difícil sempre é. Sair do cômodo para empreender é complicado (…). Mas o mercado está favorável nesse sentido. A gente tinha acabado de casar, não tinha filhos, se tudo desse errado, dava tempo de voltar atrás”, revela Renato. “Não conseguíamos pensar em nada mais legal que do que o Google a não ser abrir a nossa própria empresa. A gente pensou, ‘a hora de arriscar é agora’”, diz Isabel

Eles [os empregadores] não conseguem promover todo mundo. Tomei essa decisão duas vezes, de abrir duas empresas, eu acho que é isso mesmo, não me arrependo”.

Renato Maria, empreendedor

Eles escolherem criar cursos das ferramentas do Google justamente pela experiência que adquiriram em cerca de quatro anos na empresa, além de o investimento inicial ser baixo: eles mesmos dão as aulas, preparam e desenvolvem o material didático e alugam o espaço e equipamento para o curso – em alguns casos, é ministrado dentro das próprias empresas. Há ainda consultorias.

“Tivemos inúmeras ideias de start-ups ao longo de meses, fomos descartando aquelas que necessitavam de grandes investimentos iniciais ou equipe”, revela Isabel. “É óbvio que a gente poderia abrir outro negócio, mas a gente já tinha esse conhecimento técnico, que é raro no mercado”, avalia Renato.

Investimento inicial foi baixo porque é o próprio casal que dá as aulas (Foto: Divulgação/Gawa)

Investimento inicial foi baixo porque é o próprio casal que dá as aulas (Foto: Divulgação/Gawa)

Isabel e Renato são casados há dois anos e se conheceram na própria empresa. “Eu brinco com todo mundo que procurei o meu marido no Google e achei”, diz Isabel.

Após tomar a decisão, o casal estudou seis meses para concretizar a ideia e nasceu a Gawa. O investimento inicial foi bem baixo: eles chegaram a contratar o serviço para a criação de um site, com investimento inferior a R$ 10 mil, diz Isabel, mas o resultado não ficou como esperavam e a solução encontrada foi a de desenvolver o próprio site (com o uso de uma ferramenta para blogs). “Aprendemos lendo materiais disponíveis na internet e assistindo a vídeos no YouTube (…). Em apenas dois dias a gente já tinha o site praticamente pronto, com todas as funcionalidades que queríamos, e com custo quase nulo”, diz Isabel.

As aulas
Atualmente são oferecidos dois cursos, de Google AdWords (ferramenta para criar e gerenciar links patrocinados) e Google Analytics (usada para entender o comportamento dos usuários nos sites). O público-alvo vai desde publicitários a empresários que querem promover seus negócios na internet.

“O contato direto com o público nos fez perceber que o mercado estava carente de profissionais especializados e que estes tinham dificuldade de encontrar cursos e materiais de qualidade em português para se desenvolver”, diz Isabel.

Os cursos, todos presenciais por enquanto, duram dois dias, geralmente às sextas-feiras e aos sábados, e custam cerca de R$ 800 por aluno. São aproximadamente 20 alunos por turma, totalizando de 80 a 100 por mês.

“Divulgamos a Gawa usando o próprio Adwords, o Facebook; temos parceria com empresas como o próprio Google e também tiramos proveito do boca a boca”, revela Isabel.

São aproximadamente 20 cursos alunos por turma (Foto: Divulgação/Gawa)Apesar de ser suspeito para falar, Renato afirma que até na sua agência de publicidade – a ADW/id –, criada um pouquinho antes, há um ano, sentiu a necessidade de mão de obra que saiba usar as ferramentas, importantes no ramo. “Já precisamos começar a contratar, deveríamos estar contratando, estamos sentindo falta de mão de obra qualificada”, diz. Por enquanto, trabalham apenas ele e a sócia – que também trabalhava no Google.

Eles desenvolvem propagandas para links não só dentro do Google, mas também para redes como Facebook e para vídeos do Youtube, entre outros. “A grande estratégia da publicidade online é que se você segmenta a campanha certa para a pessoa certa, ela vai querer assistir (…). A publicidade online é boa nesse sentido, não desperdiçar dinheiro com quem não quer assistir”, diz Renato.

‘Escolha certa’
Nos próximos meses, o casal espera criar um novo curso na Gawa, de anúncios para o Facebook, além de lançar módulos online dos outros cursos para alunos de outros estados. No futuro, o casal não descarta investir em uma escola física, avalia Renato.

Com relação ao Google, Isabel diz que foi criada, inclusive, uma parceria. “Eles veem a gente como um parceiro, a gente presta alguns serviços para eles”.

O sentimento de ver algo que você criou do zero gerando frutos e crescendo também traz muita satisfação pessoal”
Isabel Furtado, empreendedora

Isabel conta que os dois já conseguiram atingir a mesma renda mensal da época em que trabalhavam no Google, somando o faturamento das duas empresas. Ela destaca, ainda, fatores positivos com relação à rotina do dia a dia. “Temos horários mais flexíveis, o que trouxe pra gente mais qualidade de vida. O sentimento de ver algo que você criou do zero gerando frutos e crescendo também traz muita satisfação pessoal”, diz.

Para Renato, contudo, escolher virar empreendedor foi a melhor decisão tomada. “A gente conversou bastante antes de tomar a decisão (…). Eles [os empregadores] não conseguem promover todo mundo. Tomei essa decisão duas vezes, de abrir duas empresas, eu acho que é isso mesmo, não me arrependo. As pessoas têm muita vontade, mas coragem falta, as pessoas não têm coragem de largar emprego bom (…). O retorno é a médio e longo prazo”, diz o empreendedor.

“Existe a pressão social para que se mantenha empregos estáveis. Pesamos muito os prós e os contras antes de tomar a decisão e a cada dia temos mais certeza de que foi a escolha certa (…). Um dos principais aprendizados é que fazendo um trabalho de qualidade e tendo paciência os resultados aparecem, mesmo com tantos empecilhos para o empreendedorismo no Brasil”, avalia Isabel.

Matéria original publicada no G1 em 16/05/2013 – http://g1.globo.com/economia/pme/noticia/2013/05/casal-larga-emprego-no-google-e-cria-escola-sobre-ferramenta.html

Escrito por: Isabel Furtado Machado

Isabel é sócia-fundadora da Gawa trabalha com marketing digital desde 2008 e é instrutora de cursos na área desde 2010.

1 comentário

  1. Fiz um curso na Eduk com a Isabel e foi muito bom. Grande profissional, domina bem o conteúdo, boa didática, sem contar que ela como pessoa é uma graça. Muito simpática.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *