Sem Metas não dá!

Esse post é o primeiro de uma série de 3 do nosso Guia Gawa de Configuração de Metas do Google Analytics.

E o diálogo se repete com mais um aluno:

“Você já tem uma Meta configurada no seu Analytics?”

“Hum… o que é uma Meta?”

Então eu explico:

Uma Meta é o equivalente, no Google Analytics, a uma Conversão. Ou seja, é uma ação específica do usuário dentro do seu site que possa ser contabilizada. Um exemplo seria quando o usuário faz uma compra online. Com uma Meta configurada para isso você vai ter relatórios no Analytics dizendo que das 1200 visitas ao site, 50 compraram. Ou seja, tivemos 50 Metas concluídas.

E na maioria dos casos, o que eu escuto a seguir é:

Mas eu não vendo online! Não tenho como medir nada que importa!”

E é aí que você está errado.

Você espera alguma ação do seu cliente a partir da visita ao seu site, certo? Se você não vende diretamente pelo site, pode ser que você tenha um formulário de contato para capturar leads. Pode ser que você tenha um catálogo de produtos que um comprador pode consultar. Pode ser que você tenha a opção de pedir um orçamento online, ou contactar a equipe de vendas pelo chat. Escolha uma dessas ações e transforme-a em uma Meta.

Sabe o que eu escuto também?

“Ah, mas o meu site só está lá para que o cliente encontre o telefone e ligue pra empresa! Ele não faz nada dentro do meu site…”

Nesse caso, tenho 3 sugestões para você.

Idéias de Metas do Google Analytics para quem recebe leads por telefone

  • Amplie as formas de contato por parte do cliente, criando um formulário de lead ou de pedido de orçamento, por exemplo. Mesmo que alguns clientes prefiram entrar em contato por telefone, você terá ao menos uma amostra para tirar relatórios valiosos no futuro.
  • Coloque o telefone parcialmente escondido e um botão de “ver o telefone”. Isso é muito usado por sites que monetizam por lead, como o Apontador por exemplo, mas você pode usar essa técnica no seu site também.
  • Use uma ferramenta de acompanhamento de ligações (como o PhoneTrack por exemplo). Essa opção é a minha preferida, pois é a que vai gerar menos transtorno para o usuário, mas tem o ponto negativo de um custo extra. Avalie se cabe no seu orçamento, e se couber, use-o. Você terá relatórios super completos e vai entender por exemplo se a busca orgânica está gerando mais ligações que a paga, entre dezenas de outras informações relevantes.

Escolha uma das 3 opções acima ou até combine mais de uma. Mas por favor: defina pelo menos uma Meta para o seu site!

A partir do momento que você define o que será a sua Meta, é hora de fazer a configuração dela no seu Google Analytics. Vou explicar direitinho como fazer isso na segunda parte do nosso Guia Gawa de Configuração de Metas do Google Analytics. Vou colocar o link aqui assim que for publicada.

Até lá você tem tempo de pensar e definir uma ou mais metas pro seu site.

Agora quero ouvir de vocês. Quais Metas do Google Analytics você já tem definidas ou quais você vai criar a partir das idéias que demos nesse post? Conta pra gente nos comentários!

Escrito por: Isabel Furtado Machado

Isabel é sócia-fundadora da Gawa trabalha com marketing digital desde 2008 e é instrutora de cursos na área desde 2010.

1 comentário

  1. Bastante interessante o conteúdo trazido e estou no aguardo da parte 2.
    Para um site de conteúdo, por exemplo, que visa obter renda a partir de patrocinadores e anúncios, vejo como interessante por exemplo metrificar o tempo de permanência no site e rankear as principais publicações.
    Abraços.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *